Gestação e Covid-19

Gestação e Covid-19, tudo o que a gestante precisa saber para se prevenir desta doença. Quem diria que viveríamos uma pandemia que mudaria o jeito de nos relacionar, nossas certezas absolutas e nosso modo operante. A ansiedade, o medo e a insegurança atingiram todas as pessoas independentes da classe social, gênero ou profissão.

No entanto uma atenção particular deve ser dada para vocês gestante e futuros papais. Com certeza o cenário de novidades e mudanças nos planos de vida que transcorre numa gestação ganha cores mais intensas frente a uma pandemia. Muitas são as mensagens de whatsapp e informações na diferentes redes sociais, mas em qual podemos confiar?

Nessa época de medo e insegurança nosso maior aliado é a informação de fonte adequada, no entanto vale ressaltar que o vírus covid 19 é uma novidade para o mundo científico, e que o seu conhecimento muda a cada momento, está em construção contínua. Portanto verdades de hoje podem não se manterem amanhã, mas vamos ao até aqui!

Algumas perguntas ganham destaque:

01) Por ser gestante pertenço ao grupo de risco para o Covid-19 ?
A princípio as gestantes apesar de apresentarem imunidade um pouco menor do que as mulheres não grávidas, não constituem grupo de risco para covid 19, exceto se apresentarem previamente a gestação alguma doença associada como, por exemplo, diabetes, asma ou hipertensão. No entanto, hoje sabemos que as puérperas- mães que acabaram de ter o parto- constituem sim grupo de risco até 40 dias pós- parto.

02) Posso transmitir para o bebê caso me contamine durante a gravidez?
Os estudos são poucos, mas na grande maioria deles não houve evidência de transmissão vertical; traduzindo a mãe infectada raramente transmite a doença para o feto intra-útero. Essa baixa transmissão está sendo atribuída a baixa concentração de uma molécula necessária para a entrada do vírus pela placenta.

03) O vírus pode causar malformações fetais? E aborto?
Como a passagem pela barreira transplacentária é reduzida, o risco de malformações também está reduzido, assim como está reduzida taxa de abortamentos em pacientes infectadas. Porém poucos são os estudos com gestantes do primeiro trimestre. Alguns deles mostraram aumento da taxa de abortamento, o que é compatível com os quadros infecciosos durante essa fase, porém até o momento está muito cedo para qualquer informação baseada em dados consistentes.

04) Posso realizar tomografia de tórax estando gestante?
Os casos de Covid-19 em gestantes (suspeitos ou confirmados) poderão ser submetidos à tomografia de tórax sem prejuízo para a gestação. No entanto esse exame não é solicitado de rotina, nem tão pouco para confirmação do diagnóstico de infecção viral por Covid-19.  O emprego desse exame está reservado para pacientes que não apresentem uma boa evolução, com resposta insatisfatória ao tratamento empregado. Nesse cenário o benefício do seu emprego sobrepõe o risco de realização durante a gestação. Assim como no RX de abdome há necessidade de proteção abdominal durante sua execução.

05) Como fazer para confirmar se estou ou não com Covid -19?
Em gestantes sintomáticas devemos coletar swab nasofaríngeo e orofaríngeo com pesquisa de PCR para o vírus. Esse é até o momento o exame padrão ouro para diagnóstico, porém como qualquer exame também apresenta margem de erro. Idealmente a coleta deve ser realizada a partir do 4° dia de sintoma, momento em que a carga viral é maior e a chance de falso negativo menor. Espero que você não precise coletar esse exame, mas se for o caso se prepare… a sensação é de terem tentado fazer cócegas no seu cérebro.  Não fique zangada, essa é a técnica correta que deve ser empregada. Coletas superficiais e armazenamentos inadequados são os principais motivos de erro desse exame.

Nas gestantes assintomáticas, assim como nos seus parceiros podemos utilizar a pesquisa com swab nasal e orofaríngeo, porém o fato de não encontrarmos resultado positivo não afasta a infecção de todo, já que quadros iniciais podem ter exame negativo devido reduzida carga viral.

06) Posso amamentar meu bebê?
Não há contra indicação para amamentação, desde que tomado cuidados como higienização adequada das mãos e uso de máscaras em casos sintomáticos ou suspeitos. Lembre se que o leite materno auxilia na imunidade do bebê, passa anticorpos importantes para essa fase inicial de vida, além de ser completo no que tange as necessidades nutricionais do seu filho. Portanto a amamentação deve ser estimulada principalmente neste período de pandemia.

07) Como faço com as visitas na maternidade?
Embora a curiosidade e o anseio de receber e conhecer o novo membro da família seja enorme essa curiosidade deverá ficar para depois por motivo de segurança tanto da mãe quanto do bebê. Lembre se que as puérperas constituem grupo de risco e devem manter distanciamento social, e desculpe a notícia ruim, mas inclusive do parceiro em alguns casos. Idealmente o parceiro deve ser testado previamente ao parto com swab nasofaríngeo, principalmente se por motivos maiores não estiver mantendo o distanciamento social.

08) Como proceder em casa, no período do pós parto ?
Caso exista a possibilidade optar por dormir em cômodos separados essa opção deverá ser adotada, principalmente em casos de suspeita de infecção do pai, ou em casos em que o pai não consegue aderir ao distanciamento/isolamento social por  motivos maiores. Parece medida extrema, mas muitos dos parceiros são portadores assintomáticos que podem transmitir sim o vírus tanto para mãe quanto para o bebê. Lembre que geralmente ele é a pessoa que terá contato com o mundo externo e com o interior da casa neste período de risco para a puérpera. Será ele que irá realizar supermercado ou outras saídas eventuais. Portanto essa cautela embora difícil deverá ser adotada, claro que sempre essa decisão será do casal. Esse cuidado só será dispensado com segurança caso o PCR do parceiro seja negativo e o mesmo tenha realizado distanciamento social por 14 dias após coleta do swab. Também podemos abrir mão desse cuidado caso o elo com o mundo externo seja uma terceira pessoa.

09) Posso ter acompanhante no parto?
Esse momento especial com certeza deve ser acompanhado pelo casal, porém sem esquecermos da segurança do binômio mãe-bebê. Portanto acompanhantes com suspeita de Covid 19 não são recomendáveis. O ideal é a testagem do acompanhante e da mãe na proximidade do parto.  Casos em que a mãe for confirmada para Covid 19 devemos ter o mínimo de  profissionais compondo a  equipe de assistência, todos devem utilizar máscara durante todo trabalho de parto!! A gestante não está fora dessa recomendação. Alguns protocolos questionam o acompanhante para esses casos frente o risco de contaminação para esse parceiro, em alguns outros consideram o parceiro como já contaminado. Na dúvida vale a pena testar esse acompanhante, e caso negativo para infecção não é recomendável que ele assista o trabalho de parto e parto, mesmo que as medidas de proteção sejam adotadas.  Fotógrafos e doulas devem ser evitados em todos os casos.

10) A via de parto muda por conta da pandemia?
Até o momento não foi evidenciado maior risco de transmissão pela via vaginal. Estudos de PCR com secreção vaginal não evidenciaram a presença do vírus mesmo em pacientes com infecção por covid 19. Portanto a via do parto dependerá da escolha do casal e da evolução durante o trabalho de parto, a exceção para essa afirmativa ocorre apenas em casos de maior gravidade , em mães com infecção por covid 19 e  comprometimento respiratório importante. Essas gestantes poderão apresentar descompensação do quadro respiratório com risco materno considerável.

11) Como devo me proteger?
Embora não constitua grupo de risco durante a gestação, segue a recomendação de evitar saídas do domicílio e na necessidade de sair é indispensável o uso de máscaras e o nosso aliado inseparável álcool gel. Lave as mãos! Muitos usam luva fora de casa e isso só piora a transmissão do vírus, porque traz a falsa segurança de proteção. É melhor lavar as mãos e passar álcool gel do que ficar tocando tudo e inclusive seus pertences  e sua roupa com a luva. Ao chegar em casa não deixe de lado o banho e a troca de toda a roupa. Não negligencie a limpeza da sola dos sapatos, da bolsa e principalmente do celular.

12) E as consultas de pré natal? Consulta presencial ou telemedicina ?
Durante esse período de epidemia as consultas podem ter seu intervalo aumentado quando tudo estiver transcorrendo da forma habitual. Preferencialmente consultas presenciais devem ser a primeira escolha, porém em alguns casos a telemedicina será empregada,principalmente para esclarecimento de algumas dúvidas. Muitas pacientes têm dificuldade de conversar e expressar todas as dúvidas usando máscaras, e essa dificuldade  pode ser contornada  com essa modalidade de consulta.

13) E a vacina da gripe, tenho mesmo que  tomar?
A vacina da gripe contra o vírus H1N1 não protegerá do covid 19, mas protegerá de infecção pelo H1N1. Para esse vírus o grupo de risco predileto são as gestantes, levando rapidamente a quadros respiratórios graves, muitas vezes com desfechos letais. Vale muito a pena utilizar essa vacina.

Além disso ajuda muito no diagnóstico diferencial quando uma gestante chega com quadro respiratório no pronto socorro. A hipótese de infecção por H1N1 só poderá ser descartada se a vacinação foi realizada. Esse simples ato diminui eventuais confusões decorrentes de um quadro respiratório num momento de pandemia, permitindo diagnóstico e condutas mais ajustadas.

Vale lembrar que poderá confundir o exame de sorologia para covid 19, com falsos positivos provenientes da imunização, portanto sorologias para covid 19 não devem ocorrer próximas da vacinação, mas na eventual necessidade a proximidade desse evento deve ser considerada durante a interpretação desse resultado.

Escrito por Dra Presciliana Mitrano – CRM 100.071

WhatsApp Fale Conosco